Notícias

Financeira Omni fecha compra do Pecúnia e vai virar banco

A financeira Omni, especializada no crédito para a compra de veículos usados, vai virar banco. A instituição fechou a compra do Banco Pecúnia, que era controlado pelo francês Société Générale. O valor do negócio não foi revelado, mas a Omni já havia adquirido no ano passado a carteira de crédito do Pecúnia, considerada o ativo mais valioso do banco.

Depois de mais de duas décadas atuando como financeira, Tadeu Silva, sócio e vice-presidente da Omni, diz que a intenção não é abrir agências na rua como os bancos de varejo tradicionais, mas atuar na bancarização dos clientes que recorrem à financeira em busca de crédito. Ele afirma que a estrutura também permitirá a redução nos custos de captação e ganhos de eficiência.

A decisão de montar o banco vem em um momento difícil para o crédito. A Omni registrou lucro líquido de R$ 11 milhões no ano passado, uma queda de 69% em relação a 2014. Para 2016, a meta é manter o resultado estável, diz Silva. O índice de inadimplência da instituição, historicamente superior à média do sistema, subiu de 9,29% para 11,02%.

A compra do banco faz parte da estratégia da financeira de ampliar as fontes de receita. Com a queda na demanda por financiamentos, a Omni decidiu investir, por exemplo, na aquisição de carteiras de crédito de outras instituições. No total, foram quase R$ 4,8 bilhões, a maior parte da Caixa  Econômica Federal. Com as compras, o saldo da carteira de crédito da instituição dobrou e encerrou 2015 em R$ 3,165 bilhões. Em outra frente, a financeira comprou a Trigg, empresa de crédito pessoal on-line.

A Omni pretende manter a carteira de financiamento de veículos dentro da financeira num primeiro momento, mas usará o banco para reduzir custos e aumentar a eficiência dessas operações, segundo Silva. Ele deu como exemplo o aumento da "janela" diária para liquidar as operações de financiamento e cobrança. "Como hoje usamos a rede de outros bancos, precisamos mandar esses dados com uma antecedência de duas horas, o que nos dá uma perda de 40 horas por mês", afirma.

A estrutura do banco permitirá à financeira aumentar as concessões de crédito por meio de varejistas. A Omni quer crescer nesse segmento oferecendo empréstimos com garantia do lojista. Para ofertar esse produto hoje, a financeira precisa contratar o serviço de outro banco para a compensação diária das posições. Com atuação em 10 mil estabelecimentos, a instituição espera aumentar a participação nesse segmento de 5% para 7,5%, segundo Silva.

A compra do Pecúnia permitirá ainda a redução do custo de captação, afirma o sócio da Omni. Os instrumentos à disposição da financeira hoje são mais caros do que os tradicionais certificados de depósito bancário (CDB) que a Omni poderá emitir depois de obter a autorização para operar o banco, de acordo com o executivo. Questionado, Silva não precisa a intensidade dessa melhora.

O banco será o canal para a Omni desenvolver uma nova operação: o financiamento a microempreendedores, com foco na região Nordeste.

A aquisição do Pecúnia ainda está sujeita à aprovação pelo BC e pelo Cade. A expectativa da Omni é ter o aval dos reguladores e dar início à operação em janeiro de 2017.

 

Fonte: Valor Econômico

Notícias relacionadas

2019-04-30 14:20:00

Omni fica em 1º lugar no Ranking de Qualidade de Ouvidorias

BACEN divulga Índice de Qualidade de Ouvidorias extraídas da base de registros coletados no atendimento do próprio BC Leia mais.
2019-03-08 11:50:00

Momento Econômico | Ano 2 - Edição 14

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2019-02-19 10:50:00

Momento Econômico | Ano 2 - Edição 13

por NICOLA TINGAS Leia mais.