Notícias

Inadimplência cresce e crédito encolhe em 2015', diz presidente da Acrefi

São Paulo - Este ano será difícil para quem dá crédito, com aumento da inadimplência e queda dos volumes. A opinião é do presidente da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Érico Ferreira. “Não sei quanto, mas que a inadimplência vai subir, vai”. A piora da qualidade das carteiras, segundo o executivo, é fruto da desaceleração da economia, do superenvidividamento e da inflação. No caso dos veículos, a situação é séria, diz: “Com o fim da isenção do IPI, o mercado caiu na real”.

 

Por que o senhor diz que o mercado de financiamento de veículos “caiu na real”?

O governo criou um mercado artificial para a venda e financiamento de veículos, com a redução dos impostos como IPI. Mas esse incentivo tem um limite, as pessoas não vão trocar de carro todo ano. Primeiro porque já estão endividadas, e depois porque a inflação está alta, corroendo a renda das pessoas; e com a atividade econômica desaquecida, o desemprego deve começar a aumentar. O ano passado foi melhor do que 2013, mas este ano será pior. A inadimplência vai aumentar, e os volumes emprestados vão diminuir.

 

O mercado já sente sinais da piora das condições?

Sim, empresas e governos estão deixando de pagar - os governos do Rio e Alagoas estão ficando com o dinheiro do consignado que deveriam repassar aos bancos que adiantaram os recursos aos funcionários públicos, por exemplo. Eu sou presidente da financeira Omni e tenho dois representantes em Brasília, onde estive nesta semana. A produtividade deles caiu em dois meses. E não mudou nada na sua forma de trabalhar, mas o governo está sem dinheiro e não paga os funcionários. Como essa gente que tomou empréstimo vai pagar, se não recebe? Primeiro vai comer, depois pagar o aluguel - prestação vem por último. Por isso digo que a inadimplência vai subir, tenho certeza que vai, só não sei quanto. A atividade econômica diminuiu e vai diminuir mais ainda, e com menor renda as pessoas não compram nada novo e não pagam o velho.

 

E quando o senhor acha que a situação pode melhorar?

A partir do momento que parar de piorar. Todo o impacto da alta do dólar, que não é pequeno, nem começou a ser repassado para a economia. O ano passado foi bom, mas ninguém vive do passado. Agora, por exemplo, temos que seguir uma nova lei em São Paulo que manda notificar o inadimplente e esperar 15 dias antes de negativá-lo. Ou seja, a inadimplência vai subir e vai ficar mais difícil para cobrar. Os políticos fazem esse tipo de lei sem preocupação de ouvir a outra parte para saber o impacto no negócio. O Brasil é inviável, entre outras coisas pela quantidade de leis criadas todos os dias. Imagine se o Brasil passasse um ano sem nenhuma nova lei, que maravilha. A CNF (Comissão Nacional das Instituições Financeiras) monitora atualmente 5,4 mil projetos de lei que afetam o mercado financeiro de alguma maneira.

 

Então quer dizer que a ascensão das classes no Brasil foi em vão...?

Foi ótimo, mas o problema é que não há um modelo que sustenta isso. Não ter pobres no país é maravilhoso mas como fazer isso de forma sustentável? A política de aumentar salários além da inflação está completamente errada. Ouvi na semana passada uma palestra de um executivo do Hay Group dizendo que em 10 anos o Brasil dobrou os salários e os Estados Unidos aumentaram 27%. Enquanto isso, a produtividade aumentou 3% aqui e 66% lá. Isso é inviável. Aumentar o salário e não a produtividade resulta em aumento de custos para as empresas.

 

A situação ruim pode representar uma oportunidade para as instituições de porte menor?

Sim, os bancos pequenos e médios podem ocupar espaços deixados pelos grandes bancos. Mas isso implicaria em correr mais riscos, e também é preciso conseguir captar recursos para emprestar. Esses riscos se compensam com taxas mais altas. Mas é preciso ter estômago. Outro dia o presidente de um grande banco me disse que a situação das empresas envolvidas na Operação Lava Jato é muito grave, e que só iria sobrar duas ou três empreiteiras. Se a pessoa perde o emprego não vai pagar. Se a empresa cliente do banco é fornecedora de uma empreiteira que quebrou ela deixa de faturar, e de pagar o empréstimo. E não somos mafiosos, não temos como cobrar os empréstimos à força. Quando a inadimplência cresce, são as instituições que arcam com os prejuízos.

 

Qual é a saída então para as instituições menores?

Temos 64 associados na Acrefi, e metade é pequena e média. Para estas, a saída é explorar nichos. Na Omni, por exemplo, atuamos no nicho de carros usados com mais de dez anos. O problema é que quando surge um novo negócio rentável, os grandes bancos entram - e não dá para competir com os grandes, por que eles tem custos mais baixos e rede de distribuição. O último exemplo de nicho rentável foi o crédito consignado, que foi inicialmente explorado por bancos médios e que agora está dominado pelos grandes. O consignado deixou de ser um nicho.

 

E qual é o novo nicho a ser descoberto e explorado pelas pequenas e médias ? 
Essa é a pergunta de um milhão de dólares!

Fonte: Jornal Brasil Econômico

Notícias relacionadas

2019-04-30 14:20:00

Omni fica em 1º lugar no Ranking de Qualidade de Ouvidorias

BACEN divulga Índice de Qualidade de Ouvidorias extraídas da base de registros coletados no atendimento do próprio BC Leia mais.
2019-03-08 11:50:00

Momento Econômico | Ano 2 - Edição 14

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2019-02-19 10:50:00

Momento Econômico | Ano 2 - Edição 13

por NICOLA TINGAS Leia mais.