Notícias

Conjuntura atual: desafios na saúde (covid-19) e na economia (PIB)

Ano 3 - Edição 35

por Nicola Tingas, Consultor Econômico

 

Conjuntura atual: desafios na saúde (covid-19) e na economia (PIB)

A curva de óbitos decorrentes do covid-19 teve oscilações de declínio no final de abril e no início de maio. Contudo, passou a crescer rápida e intensamente na semana passada, tanto no Estado de São Paulo como em outros estados do Brasil. No dia 9 de maio, houve 730 óbitos em 24 horas, acumulando 10.627 mortes pelo covid-19 no Brasil. Um marco absolutamente ruim.

A disseminação do vírus se alastra rapidamente nas grandes cidades e avança também para cidades do interior do País. O sistema de saúde está próximo do limite de atendimento em muitas cidades e, em alguns casos, já esgotou os leitos de UTI. Essa tendência pressionou cidades grandes e pequenas a ampliar medidas de restrição da circulação de pessoas. São Paulo, epicentro da crise, deixou sua meta de flexibilizar o isolamento no dia 11 de maio, optando pela extensão até o dia 31 do mês. O Rio de Janeiro e outras cidades estão ampliando o isolamento. É fundamental monitorar quando será o pico de óbitos para planejar "saída ordenada" do isolamento.

A extensão do isolamento ocorre juntamente com a divulgação dos primeiros indicadores de atividade de abril, que tiveram forte queda e um ambiente de severa crise política. Situação que está sendo combatida com medidas de intensa "expansão fiscal emergencial" (até o final de 2020) calculada em R$ 700 bilhões pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Mas o mercado teme que negociações políticas provoquem gastos fiscais expansionistas também em 2021. Portanto, os mercados aguardam sinais de que a agenda liberal resista. 

Analistas de mercado revisaram (para pior) suas estimativas para o PIB. O intervalo principal para o PIB 2020 vai da queda de 4 % a 7 %, mais frequente na maior queda. Para o PIB 2021, devido a enorme incerteza, o intervalo de estimativa é de crescimento de 3,5 %, à queda de 3 %. O Brasil terá a maior queda anual do PIB em 100 anos.

Este cenário provocará forte deflação de preços. O IPCA poderá encerrar 2020 acumulando 1,5%. Além do enorme pacote de estímulo monetário e creditício de R$ 1,2 trilhão (16,7 % do PIB), o Banco Central, por meio do Comitê de Política Monetária (Copom),  reduziu a taxa básica de juros de 3,75 % para 3 % e sinalizou que na próxima reunião poderá chegar a 2,25%.

2 - Indicadores financeiros, Pesquisa Focus (BACEN) e Projeções

B3 (Ibovespa) e R$/USD

DISCLAIMER

1) A presente Newsletter foi preparada pela Tingas Consultoria, Assessoria e Treinamento Ltda., a pedido de Omni Banco S.A. (“Omni Banco”) e não deve ser considerada um relatório de análise

para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018 ou quaisquer outras regulamentações aplicáveis relacionadas ao tema.
2) Esta Newsletter tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas e não constitui e nem deve ser interpretada, sob nenhum aspecto, como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas nesta Newsletter foram consideradas razoáveis na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. O Omni Banco não dá ne nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. A presente Newsletter não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nela abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas no presente informativo refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo desta Newsletter na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. O Omni Banco não tem obrigação de atualizar ou modificar esta Newsletter, tampouco de informar o leitor.
3) O responsável pela elaboração desta Newsletter certifica que as opiniões, estimativas e projeções nela expressas refletem, de forma precisa, única e exclusiva, sua visão e opinião pessoal, tendo sido produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação ao Omni Banco.
4) Esta Newsletter é destinada à circulação exclusiva para a rede de relacionamento do Omni Banco, podendo ser distribuída para os seus clientes, bem como para os clientes das empresas integrantes do grupo econômico do qual o Omni Banco faz parte e divulgada no site http://www.omni.com.br. Fica proibida a reprodução e/ou a redistribuição desta Newsletter para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso do Omni Banco.
5) O Omni Banco e/ou quaisquer das empresas integrantes de seu grupo econômico não se responsabilizam por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas nesta Newsletter e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo.
6) Para maiores informações sobre os produtos e serviços do Omni Banco, favor acessar o site http://www.omni.com.br

Fonte: Omni Banco & Financeira

Notícias relacionadas

2020-09-02 17:20:00

Desafios: preservação da retomada requer extensão da "ponte financeira"

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2020-08-06 18:10:00

Agosto 2020: esperança, retomada e desafios

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2020-07-13 16:30:00

Varejo indica melhor ritmo de retomada, com viés de otimismo no curto prazo

por NICOLA TINGAS Leia mais.

Este site coleta cookies para aprimorar sua experiência de navegação, permitindo que todos os recursos sejam exibidos e funcionem corretamente.

Caso queira excluir os cookies, você pode realizar esse processo diretamente em seu navegador, a partir das configurações de navegação.
Se quiser saber mais detalhes sobre o processo de coleta de cookies e o tratamento de dados pessoais que realizamos em nosso site, envie um e-mail para [email protected].