Notícias

Venda de carteira de crédito da Caixa sobe pelo 2º trimestre seguido

A Caixa Econômica Federal seguiu elevando o montante de créditos cedidos pelo segundo trimestre consecutivo. O banco público vendeu R$ 2,679 bilhões de janeiro a março de 2016, montante 5,1% superior aos R$ 2,549 bilhões cedidos no quarto trimestre de 2015. Em relação ao volume de carteira vendida um ano antes, de R$ 1,346 bilhão, a cifra foi 99% maior.

Do total de créditos cedidos no primeiro trimestre, R$ 1,4 bilhão foram adquiridos pela Omni Financeira. Os R$ 1,272 bilhão restantes passaram para as mãos da RCB Planejamento Financeiro que no ano passado, diferente da Omni, não havia participado de aquisições de carteiras da instituição. Em troca, a Caixa recebeu, conforme destaca nas notas explicativas de suas demonstrações financeiras, R$ 138,487 milhões pela venda total desses empréstimos.

Por mais um trimestre, o volume de crédito cedido pelo banco público foi, principalmente, empréstimos ativos, ou seja, que influenciam no índice de inadimplência da Caixa. Tais créditos somaram mais de R$ 2 bilhões no primeiro trimestre enquanto que os já baixados a prejuízo, também chamados no mercado de "podres", totalizaram R$ 664,338 milhões. Nos três meses anteriores, a proporção ficou R$ 2,251 bilhões em ativos e R$ 298,303 milhões de empréstimos já vencidos.

Apesar disso, Marcio Percival, vice-presidente de Finanças da Caixa, afirmou que a influência da cessão desses empréstimos na inadimplência da instituição é limitada e que, diferente da avaliação de analistas, não mascara o indicador. Ao final de março, o índice de calotes da Caixa, considerando atrasos acima de 90 dias, ficou em 3,51% ante 3,55% em dezembro. Não fosse a venda de carteiras, contudo, o indicador teria ficado em 3,54%.

Em recente relatório ao mercado, analistas do JPMorgan alertaram para o fato de a venda de carteiras por parte da Caixa distorcer o índice de inadimplência do banco. Destacaram ainda que a tendência para a qualidade de seus ativos, ainda que esteja cedendo empréstimos, é "negativa".

"Nenhum número da contabilidade está mascarado ou escondido. A maior parte das carteiras que vendemos nos últimos anos, entre 70% e 75%, já estava em prejuízo e pequena parte estava dentro de crédito recuperável. Tem impacto na inadimplência, mas é muito pequeno", destacou Percival, em entrevista ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

No ano passado, a Caixa cedeu R$ 13,126 bilhões em créditos. Do total, R$ 9,411 bilhões corresponderam a empréstimos podres e R$ 3,714 bilhões foram equivalentes a carteiras ativas, ou seja, passíveis de recuperação. Recebeu em contrapartida R$ 439,321 milhões.

Fonte: ISTOÉ Dinheiro

Notícias relacionadas

2021-02-01 18:35:00

2021 começa com mais incertezas e eleição no Congresso influenciará "viés da Economia"

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2020-12-23 15:30:00

Estímulos financeiros reduziram impacto da pandemia em 2020, mas 2021 ainda é incerto

por NICOLA TINGAS Leia mais.
2020-12-03 11:00:00

Cenário econômico 2021: definições da política, direcionamento da economia

por NICOLA TINGAS Leia mais.

Este site coleta cookies para melhorar a sua navegação, permitindo que todos os recursos sejam exibidos e funcionem corretament
Queremos que tenha uma excelente experiência ao navegar por aqui.

Caso queira excluir os cookies você pode realizar diretamente em seu navegador através das configurações de navega

Se quiser entender mais sobre a coleta de cookies e o tratamento de dados pessoais que realizamos em nosso site, envie um e-mail para [email protected].